Ao Vivo Água Boa - MT (99,7 FM)

Interativa Playlist Programa: Interativa Playlist
Locutor: Interativa Playlist

Ouça Agora!

(66) 99652-7007

Ao Vivo Querência - MT (97,9 FM)

- Programa: Interativa Playlist
Locutor: -

Ouça Agora!

(66) 98438-0051
  • Sicredi
  • Thor
  • Anuncie

Agronegócio

Sebrae MT levanta as principais ‘dores’ dos empresários

Aumentar as vendas e fazer a gestão financeira dos negócios. Estes sãos os dois maiores desafios apontados pelos empresários de pequenos negócios de Mato Grosso, ouvidos pela Pesquisa Quantitativa As Dores dos Clientes do Sebrae MT, realizada entre 22/02 e 31/03/2021, que identificou também as expectativas futuras dos empresários para daqui a 10 anos.

Foram ouvidos, por telefone, 954 empresários atendidos pelo Sebrae MT em 2019 e 2020, dos setores de comércio, serviços, indústria e agronegócio, sendo 771 de microempresas (ME), 164 de empresas de pequeno porte (EPP) e 24 produtores rurais, de 10 municípios em todas as regiões do Estado. A maioria, 74% dos respondentes, tem ensino médio ou superior completo; 70% têm seis anos ou mais de atividade no empreendimento e idade média de 41 anos.

André Schelini, da Gerência de Inteligência Estratégica do Sebrae MT, pontua que a pesquisa foi feita durante a segunda onda da pandemia da covid-19, justamente quando os decretos municipais, estadual entraram em vigor. “Muitos empresários estavam se preparando para uma retomada, definindo estratégias de crescimento, mas nada disso não aconteceu”.

A analista técnica Valéria Ribeiro Calisto, coordenadora da pesquisa, acrescenta que, quando o estudo foi planejado, todos imaginavam que a pandemia estava caminhando para o fim por conta da chegada das vacinas. Não havia a intenção de medir problemas relacionados à pandemia, especificamente, no entanto, a situação acabou piorando com a 2° onda e essa dor foi mensurada também no exato momento em que estava afetando os empreendedores.

O questionário da pesquisa foi dividido em três blocos: identificação dos desafios atuais de empreender; grau das dores do mercado que o empreendedor tem enfrentado; e oportunidades que os empresários querem explorar e a visão de futuro.

Na primeira parte, as respostas mais frequentes foram aumentar as vendas (46%) e gestão financeira (32%). Muitos empresários disseram ter perdido clientes em função da pandemia e alegam que esses clientes se sentem inseguros em consumir por acharem o futuro incerto.

Schelini pondera que o poder de compra diminuiu, porque as pessoas estão desempregadas, as famílias endividadas e não é possível ativar os negócios. “Isso cria um ciclo vicioso, as pessoas perdem o emprego, deixam de consumir, as indústrias de produzir e vender e essa roda só vai crescendo”, analisa, acrescentando que as medidas emergenciais (MPs) 1045 e 1046 chegam tardiamente a quem mais precisa.

Na questão da gestão financeira, os empresários citam muitos problemas relacionados ao capital de giro e fluxo de caixa (37,34%), custos acima da receita (24,07%) e planejamento orçamentário (13,28%). Acesso a crédito é outro motivo de preocupação e foram elencados pontos como falta de garantia para tomada de crédito, citada por 35,98% dos ouvidos, e captar recursos públicos (23,02%).

A maioria das políticas públicas instituídas é relacionadas à oferta de crédito e à flexibilização de condições. No entanto, tomar crédito nesse momento passa a ser um risco, visto que as empresas não estão conseguindo liquidar suas dívidas e não têm capacidade de endividamento.

Segundo o gerente do Sebrae MT, grande parte dos empresários não está pedindo crédito, precisa de auxílio. “Da mesma forma que foi gerado o auxílio emergencial para as pessoas físicas, deveria ter sido pensado um auxílio emergencial para as empresas, semelhante ao que aconteceu nos Estados Unidos. Lá, uma das políticas públicas foi exatamente auxiliar as empresas, porque era preciso manter a atividade econômica funcionando”, constata.

Gestão de pessoal

Na parte de gestão de pessoas, 37,96% falaram de motivação ou disciplina dos colaboradores, 28,01% da contratação de pessoas com habilidades digitais e tecnológicas; e 15,97% citaram demissões e processo de seleção e recrutamento.

A parte de planejamento estratégico também foi citada como uma dor de mercado e muitos se dizem perdidos, no que se refere a uma visão de médio e longo prazo, por conta das incertezas futuras que a pandemia trouxe.

Schelini esclarece que, considerando as informações da pesquisa, o Sebrae MT está trabalhando para oferecer soluções para os pequenos negócios. “Em Mato Grosso, estamos desenvolvendo três grandes frentes de trabalho”.

Do ponto de vista das atividades empresariais que estão sofrendo maior impacto, temos os atendimentos setoriais – bares, hotéis, restaurantes, beleza e turismo como um todo.

Com relação ao ambiente de negócios nos municípios, para que eles se tornem mais empreendedores e mais sustentáveis para que as atividades empresariais se desenvolvam, oferecemos o programa Cidade Empreendedora e Sustentável.

Temos ainda o Sebrae na Sua Empresa, para atender o empresário onde ele estiver, fazendo com que ele entenda o atual momento do seu negócio, fazendo a radiografia de como está a gestão e defina os melhores caminhos para sua empresa”, conclui.

Futuro

Ao mapear a visão de futuro do cliente do Sebrae, eles imaginam que usar tecnologia e máquinas será ainda mais comum para os pequenos negócios, mas a pesquisa também mostra que muitos simplesmente não conseguem opinar ou imaginar o futuro, não têm muitas expectativas em longo prazo e nem imaginam um cenário de empreender daqui a 10 anos.

A análise da visão de futuro foi dividida em dois cenários: a visão pessimista e dos mais otimistas. Os pessimistas apontam que daqui a 10 anos haverá muita dificuldade de empreender, considerando a escassez de mão de obra qualificada e condições de mercado para os negócios. Este conjunto de entrevistados estão sem perspectivas positivas.

Dentre os que têm uma visão mais otimista, inovar será fundamental e uso da tecnologia vai dominar. Serão menos lojas físicas e mais virtuais, mais modernidade, menos burocracia, o home office veio para ficar. Apontam muito no caminho da tecnologia e na inovação, para empreender no cenário futuro - 28,47% dos respondentes consideram participar de curso de capacitação como uma oportunidade que pretende explorar nos próximos anos; e possuir uma loja virtual é uma possibilidade a ser explorada para 17,44% dos donos de pequenos negócios de Mato Grosso.
A margem de erro da pesquisa é de 2,96% e a confiabilidade é de 95%. A pesquisa completa pode ser acessada no link do Data Sebrae: https://datasebrae.com.br/mt/ (Ascom)

Veja mais notícias: