Água Boa - MT (99,7 FM)

Pablo Henrique Arena Sertaneja
Pablo Henrique

Ouça Agora!

(66) 99652-7007

Querência - MT (97,9 FM)

- Interativa Playlist
-

Ouça Agora!

(66) 98438-0051

Ribeirão Cascalheira - MT (103,1 FM)

Clara Cristina Rota Interativa
Clara Cristina

Ouça Agora!

(66) 997237390



Agronegócio

CUIABÁ - Em cumprimento à determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Coordenadoria de Defesa Sanitária Vegetal do Indea de Mato grosso emitiu manifestação técnica orientando a suspensão imediata da comercialização, distribuição e importação de produtos agrotóxicos que contenham o ingrediente ativo carbendazim em sua composição, a partir de 22 de junho de 2022, no território mato-grossense.

A Anvisa determinou na terça-feira (21.06) a suspensão cautelar da importação, fabricação, comercialização e distribuição do ingrediente ativo carbendazim, e produtos técnicos que contenham esse ingrediente ativo em todo o território nacional, enquanto aguarda a conclusão da reavaliação toxicológica do carbendazim.

“A suspensão cautelar tem por objetivo evitar que os agrotóxicos à base do carbendazim continuem disponíveis no mercado até a conclusão da reclassificação toxicológica, bem como estudos quanto aos riscos que o produto pode representar à saúde humana”, afirma a coordenadora de Defesa Sanitária Vegetal, Silvana Amaral.

A medida cautelar não se aplica aos produtores rurais que já possuem esses produtos em sua posse. Porém, não devem ser efetuadas novas aquisições, pois a comercialização e distribuição estão suspensas. (AScom)

CUIABÁ - O estande interativo do Famato Embrapa Show está dando o que falar. Já na manhã de quinta-feira (23), o espaço havia superado as expectativas do analista da Embrapa Agricultura Digital, André Fachini Minitti.

De acordo com Minitti, participar do evento traz a oportunidade de apresentar as soluções diretamente aos produtores, atendendo a novos públicos, que vão além de Mato Grosso.

O analista destaca também a procura pelo app Plantio Certo, que disponibiliza informações oficiais do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) e permite a indicação de diferentes taxas de riscos de perdas por eventos meteorológicos. No app também é possível visualizar o desenvolvimento da cultura frente às condições climáticas registradas.

O estudante de agronomia Vinícius Duarte já conhecia o aplicativo do Programa de Seguro Rural (PSR) e aproveitou o Famato Embrapa Show para tirar dúvidas e experimentar a tecnologia.

Conheça e acesse os aplicativos disponibilizados na Mostra Tecnológica e criados para facilitar o trabalho dos agricultores:

PROGRAMA DE SEGURO RURAL (PSR)

Um guia com orientações para contratar seguro rural, apresentando suas características, as subvenções vigentes e os contatos de seguradoras que operam na área agrícola. Além de facilitar a busca por seguradoras que atuam na região e com as culturas desejadas, o aplicativo incorpora informações importantes sobre o seguro rural.

https://play.google.com/store/apps/details?id=br.embrapa.psr e https://apps.apple.com/br/app/psr-programa-de-seguro-rural/id1517617208

ZARC-PLANTIO CERTO

Auxilia produtores e agentes da cadeia do agronegócio por meio da disponibilização das informações oficiais do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), numa interface de fácil compreensão.  O usuário recebe a indicação das diferentes taxas de riscos de perdas por eventos meteorológicos adversos, atrelados às suas respectivas épocas de plantio, abrangendo 43 culturas e todos os municípios do território nacional.

https://play.google.com/store/apps/details?id=embrapa.br.zonamento&hl=pt_BR e https://apps.apple.com/br/app/plantio-certo/id1518252333

AFERE

Plataforma online de gestão das informações sobre manejo da fertilidade do solo, estado nutricional e recomendação da adubação e, consequentemente, o ajuste da adubação de reposição ou restituição em sistemas de produção de soja.

O sistema ainda permite que os cálculos de exportação sejam realizados para outras importantes culturas do sistema de produção.

http://afere.cnpso.embrapa.br/balanco/site/index.php

DOUTOR FEIJÃO

Orienta sobre a otimização do sistema produtivo do feijão comum, fornecendo informações sobre o desenvolvimento da planta e formas de manejo para controle de pragas e doenças. O sistema também libera publicações técnicas e permite que o produtor encontre parceiros para adquirir sementes, além de permitir o contato direto com a Embrapa.

https://play.google.com/store/apps/details?id=institutobento.doutorfeijao&hl=en_US&gl=US e https://apps.apple.com/br/app/dr-feij%C3%A3o/id1450205104

AGRITEMPO

Permite aos usuários o acesso às informações meteorológicas e agrometeorológicas de diversos municípios e estados brasileiros. Fornece informações fundamentais para o trabalho no campo, como chuvas, disponibilidade de água no solo, mapas de estiagem, temperaturas máximas e mínimas e previsão do tempo.  (Ascom)

SÃO PAULO – Finalmente foi conhecido o campeão nacional de produtividade de soja. matheus soja
Enquanto no município de Água Boa, a produtividade média da safra fechou próximo a 60 sacas, a média nacional ficou próxima das 50 sacas por hectare.
Porém, no município de Pilar do Sul, interior paulista, o produtor rural Matheus Nunes Alves atingiu a média de 126 sacas de soja por hectare.
Ele utilizou a melhor tecnologia possível seguindo instruções de agrônomos. O sistema de plantio produtivo adotado é o plantio direto com rotação de culturas nos últimos três anos.
A fazenda vinha de 17 anos de cultivo de citros, mas por conta de problemas na cultura, o agricultor mudou para feijão, milho e aveia na safra 2019/20. Na temporada 2020/21, milho e trigo foram semeados.
Nesse ano, ele plantou soja e milho. Alves foi vencedor do Desafio Nacional de Máxima Produtividade de Soja do Comitê Estratégico Soja Brasil. A propriedade onde o maior número de sacas foi colhida conta com 300 hectares, sendo 195 deles destinados à soja.
Trata-se da terceira geração da família Nunes, que iniciou na agricultura em 1960. A área auditada pelo Cesb na fazenda foi de 2,58 hectares. (Canal Rural/Inácio Roberto/Foto Canal Rural)

CUIABÁ - A Cartilha da Cisticercose para produtores, elaborada pelo Sistema Famato e Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), será entregue aos participantes do evento Famato Embrapa Show, de 22 a 24 de junho. O material tem o propósito de levar conhecimento e instrução à população rural, pois a doença traz sérios riscos aos humanos. cisticercose

“A educação sanitária é uma importante ferramenta no controle e erradicação da doença. Sendo assim, o Sistema Famato e a Acrimat, com o apoio de várias instituições, se uniram para produzir um material que fosse de linguagem fácil, descontraído, com ilustrações e história real do produtor rural”, disse o vice-presidente da Famato e superintendente do Senar, Francisco de Castro.

Os bovinos e suínos adquirem a cisticercose a partir de seres humanos com teníase (solitária) e a identificação de cisticercos na carcaça e vísceras dos animais pode contribuir para a implantação do sistema unificado de saúde, com a identificação e tratamento das pessoas com o parasito.

O material traz informações sobre a importância de cuidados sanitários nas propriedades rurais e faz parte da Campanha Mato Grosso Contra a Cisticercose. A campanha, que possui diversas instituições parceiras, visa levar conhecimento e instrução à população rural por meio de materiais orientativos e ilustrativos.

O formato digital da cartilha já está disponível no site da Famato, na aba Serviços ao Produtor Rural. Acesse clicando aqui: https://sistemafamato.org.br/wp-content/uploads/2022/05/2022_06_14_FA_012_cartilha_cisticercose_vs-12a_L-155xA-225cm_paginas-individuais_digital2.pdf.

Evento – O Famato Embrapa Show acontece de 22 a 24 de junho, no Cenarium Rural em Cuiabá-MT. O evento apresentará mais de 60 tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). (Ascom)

CUIABÁ - Diferentemente do que muitos pensam, o setor da pecuária em Mato Grosso não é formado, em sua maioria, por grandes fazendeiros. Pelo contrário. São os pequenos e médios produtores, com até mil cabeças de gado, os responsáveis por manter a atividade no Estado, que possui o maior rebanho bovino do Brasil.

Este perfil do pecuarista mato-grossense foi identificado pela pesquisa realizada pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), que entrevistou 409 pecuaristas em Mato Grosso, de todas as sete macrorregiões do Estado, em 93 municípios. Juntos, eles possuem 356 mil cabeças de bovinos. Veja a pesquisa completa aqui.

Segundo a pesquisa, um total de 78% dos entrevistados declarou possuir um rebanho de até 1 mil cabeças de gado, enquanto somente 6% afirmou ter mais de 3 mil bovinos. Além disso, o sistema de produção mais realizado pelos pecuaristas em Mato Grosso é a recria/engorda.

Ainda de acordo com a pesquisa, a maioria das propriedades com bovinos em Mato Grosso possui até 500 hectares. Ou seja, 58% dos produtores entrevistados possuem uma pequena propriedade. Já os pecuaristas que possuem grandes propriedades, acima de 10.001 hectares, representam apenas 2% dos entrevistados.

A pesquisa identificou ainda que o perfil do pecuarista de Mato Grosso é formado, em sua maioria, por pessoas de 46 a 65 anos, que estão na atividade entre 11 e 35 anos. A respeito do grau de ensino dos pecuaristas, 45%, possuem ensino superior, enquanto apenas 7% dos pecuaristas se declararam com apenas ensino básico.

Para o presidente da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Oswaldo Pereira Ribeiro Júnior, a pesquisa demonstra a importância dos pequenos produtores da cadeia bovina da carne e a necessidade de levar ferramentas para que o produtor possa produzir uma carne de melhor qualidade e ter maior rentabilidade.

A pesquisa – O levantamento dos dados da pesquisa foi realizado entre os meses de setembro e outubro de 2021, por telefone, com os pecuaristas de Mato Grosso. A escolha do produtor foi feita de maneira aleatória, sendo que a distribuição entre as regiões foi feita de acordo com a quantidade de propriedades por região, conforme o Censo Agropecuário 2017 do IBGE.

Com as informações levantadas, buscou-se traçar o perfil do pecuarista na era digital em Mato Grosso, e para isso foram analisadas informações dos pecuaristas entrevistados quanto ao grau de instrução, idade e tempo de produção, por exemplo. (Ascom)

CUIABÁ - Termina no próximo dia 30 de junho a primeira etapa da campanha de 2022 de vacinação contra a brucelose em Mato Grosso. Todas as fêmeas bovinas e bubalinas entre 3 meses e 8 meses de idade, e que não foram imunizadas no semestre passado, devem obrigatoriamente ser vacinadas.

A brucelose é uma doença bacteriana que acomete o trato reprodutivo dos bovinos, com maior incidência nas fêmeas, e pode ser transmitida para os seres humanos. Por isso, é fundamental a vacinação do rebanho, de acordo com o gerente de Relações Institucionais da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), o médico veterinário Nilton Mesquita.

“Como a doença é uma zoonose, ela pode ser transmitida para o homem e até mesmo a vacina, que é viva, pode representar risco à saúde de quem a manuseia. Por isso, até o manejo da vacina deve ser bem feito, pois o profissional pode se infectar com a aplicação da vacina”, esclareceu.

A vacinação deve ser feita por um veterinário ou um vacinador credenciado pelo profissional veterinário, para garantir os cuidados na manipulação da vacina, a correta aplicação, e fornecer o atestado de vacinação.

No ato da vacinação, também deve ser feita a marcação do número “2” no lado esquerdo da face do animal, caso tenha sido aplicada a vacina B19, ou a letra “V” se for utilizada a vacina RB51, usada como dose de reforço para as fêmeas mais velhas.

Uma vez imunizados os animais, o produtor deve comunicar a vacinação ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea) até o dia 04 de julho, sob pena de multa.

Já a segunda etapa da campanha de vacinação, que abrange as propriedades rurais do Baixo-Pantanal Mato-grossense, começa em 1º de julho, com término em 31 de dezembro.

As propriedades irregulares com a vacinação contra a brucelose ficam impedidas de transitar com bovinos e bubalinos machos e fêmeas de qualquer idade, categoria ou finalidade. (Ascom Acrimat)

Página 3 de 66

Veja mais notícias: