0
0
0
s2sdefault

CANARANA – Participará do Repórter Interativo desta sexta-feira, Marcos da Rosa de Canarana, líder do agronegócio no Médio Araguaia.

Ele classifica a ligação ferroviária leste-oeste como fundamental para a retomada do desenvolvimento dos modais de transporte. “São anos de lutas por essa melhoria, tanto que para alguns, o assunto se tornou alvo de ceticismo”.Marcos da Rosa

A concessão antecipada feita pelo governo com a Vale, vai alocar recursos de cerca de R$ 4 bilhões. Dessa forma, a FICO parece garantida para o Araguaia. De imediato, Marcos da Rosa entende que a concretização da ferrovia vai diminuir os custos de produção para o agronegócio, elevando em contrapartida, os preços dos produtos agrícolas.

O líder ressalta que a região aumentou a produção de soja e milho, entre outras culturas, independente das dificuldades no transporte rodoviário. Os altos custos e longos percursos encarecem o setor de fretes e do agronegócio, por tabela.

Lembra que de Canarana ao porto de Santos/SP são quase 2.000 quilômetros. Já de Canarana a Belém/PA, são 1.800 quilômetros em rodovias ainda deficitárias. Isso também prejudica a vida dos transportadores rodoviários de cargas.

Os novos modais de transporte, quer seja a ferrovia ou a futura hidrovia Araguaia/Rio das Mortes, vão facilitar a vida dos trabalhadores. A diminuição nos custos de produção será novo incentivo para aumentar as áreas com lavouras e pecuária. Marcos da Rosa lembra que a pecuária atual não tem capacidade para promover uma recuperação das áreas em degradação.

Já a agricultura permite que sejam promovidos investimentos em tecnologia para melhorar a qualidade do solo. Para ele, todo esse contexto de redução no custos do transporte ferroviário, promoverá uma nova arrancada no desenvolvimento do Médio Araguaia. Rosa avisou que as cidades da região precisam se preparar para atrair novos investidores e formar mão de obra qualificada que significará melhor qualidade de vida.

É preciso ter médicos em número suficiente, professores, escolas, e comércio eficiente. Destacou que quando há produção há espaço suficiente para todos. Marcos da Rosa, que já foi presidente da Aprosoja Brasil, diz que o desenvolvimento econômico deve ser sustentável.

Marcos da Rosa lembra que a região Araguaia tem em torno de apenas 400 mil habitantes, enquanto que o Mato Grosso tem apenas 3,4 milhões de habitantes. Pela sua leitura, a região vai receber cada vez mais gente interessada em participar dos projetos de desenvolvimento.

A entrevista com Marcos da Rosa será apresentada no Repórter Interativo desta sexta-feira, às 12hs 25min.

Veja Também