• Anuncie
  • Brasil Escolar

0
0
0
s2sdefault

norberto schwantesArtigo do site Boa Midia - Jornalista Eduardo Gomes de Andrade

Mato Grosso tem que cultuar a memória da figura ímpar do pastor luterano Norberto Schwantes, que escreveu uma página de cidadania e de desenvolvimento que se renova a cada segundo nas cidades por ele fundadas e nas áreas agropecuárias surgidas de seus projetos ou no entorno dos mesmos.

 Schwantes foi um raio de luz que clareou as trevas do vazio demográfico no Nortão e no Vale do Araguaia, assentou alicerces sociais e econômicos e reconfigurou uma vasta região Amazônica no Brasil Central ao fundar as mato-grossenses cidades de Canarana, Água Boa, Querência, Terra Nova do Norte e Nova Guarita.

A luz irradiada por Schwantes foi muito além da Amazônia Mato-grossense. Ela também brilhou no Rio Grande do Sul, onde sua ousadia resolveu graves problemas agrários nos municípios de Tenente Portela, Nonoai, Guarita e outros.

Agricultores e pequenos pecuaristas expulsos ou ameaçados de expulsão de suas terras por índios caingangues foram trazidos para Mato Grosso por suas mãos. Esses brasileiros trocaram o pesadelo e a incerteza em seus lugares de origem pela paz e o horizonte que se descortinava no vazio amazônico mato-grossense.

Pioneiro no cooperativismo mato-grossense, Schwantes transformou sua Cooperativa de Colonização 31 de Março (Coopercol), fundada em 31 de março de 1971, no maior contribuinte do ICMS na Terra de Rondon.

Ousado como convém ao verdadeiro líder, Schwantes idealizou e operacionalizou uma informal companhia aérea denominada Viação Aérea Canarana, que atendia pela sigla VACA. Um bimotor Douglas C-47 de prefixo PP-YPU, da frota das aeronaves dessa empresa descansa sobre um pedestal na Praça Siegfried Roewer, em Canarana, como memorial de um período de luta, coragem e conquistas.

Antes de atuar em Mato Grosso Schwantes usou sua liderança natural para apoiar contestadores do regime militar, que precisavam cruzar a fronteira do Brasil no extremo Sul. Com sua fé cristã estendeu a mão a muitos jovens e os ajudou a deixar o país.

Em Mato Grosso sua ousadia o levou a colonizar legalmente uma área que pertencia ao Exército Brasileiro. Foi um feito inédito para a época, pois a Força Terrestre abriu mão de uma gleba reservada a treinamentos militares para que nela fossem assentados lavradores no eixo da BR-163, onde foram fundadas as cidades de Terra Nova do Norte e Nova Guarita.

O Schwantes que planejava tudo nos mínimos detalhes, que distribuía colonos por agrovilas por ele criadas, que semeava cidades, que tinha sempre a mão estendida aos que trabalhavam em busca de melhores dias para suas famílias era o mesmo pregador que elevava as mãos aos céus na Igreja Evangélica da Confissão Luterana. Um vulto igual a ele é eterno, permanece depois do adeus que é comum a todos os mortais. Por isso, o câncer de pele que o fez fechar os olhos para sempre em 17 de setembro de 1988 não o matou: simplesmente o levou para o patamar onde as gerações poderão reverencia-lo, sempre, por sua obra imorredoura.

O lado espiritual de Schwantes e sua condição humana formavam um só homem, um só filho de Deus capaz de amar o Criador com a intensidade que Ele deve ser amado, mas sem perder a indignação que séculos antes levou Martinho Lutero ao rompimento com a Sé Romana.

Lutero não fingiu indiferença nem compactuou com a venda de indulgências plenárias pela Igreja Católica Apostólica Romana, por entender que Deus não receberia pagamento material por pecados de seus filhos. Schwantes não cruzou os braços ao ver seus coestaduanos gaúchos ao léu, por falta de terra para plantar nesse país onde terra ociosa é exatamente o que mais existe.

Schwantes foi suplente de deputado federal constituinte pelo PMDB (1987/90), assumiu uma cadeira e ajudou a elaborar a Constituição da República Federativa do Brasil.

Que Canarana, Querência, Nova Guarita, Água Boa e Terra Nova do Norte por seus moradores reflitam sobre a importância de seu fundador, o pastor, jornalista, cooperativista, colonizador, político e sonhador Norberto Schwantes. (Jornalista Eduardo Gomes de Andrade/Redação Boamidia)

Veja Também