Água Boa - MT,
Alerta Mundial: Estudo prevê que 66% da população sofrerá com escassez de água até a fim do século

Alerta Mundial: Estudo prevê que 66% da população sofrerá com escassez de água até a fim do século

A escassez de água vai se intensificar com as mudanças climáticas e socioeconômicas, impactando desproporcionalmente as populações localizadas no Hemisfério Sul. Essa é a conclusão de um novo artigo da Universidade de Utrecht publicado na Nature Climate Change em 23 de maio de 2024, que utilizou um modelo global de ponta sobre a quantidade e qualidade da água para estimar a escassez de água limpa até o final do século. Os seres humanos precisam de água limpa para beber e saneamento, mas também para a produção de alimentos, energia e bens manufaturados.

À medida que comunidades e formuladores de políticas lutam contra os problemas de escassez de água no local, os pesquisadores da Universidade buscam esclarecer a crescente crise global de água limpa. Usando simulações de um modelo de quantidade e qualidade da água de última geração, os autores avaliam a escassez de água global presente e futura. “As mudanças climáticas e os desenvolvimentos socioeconômicos têm impactos multifacetados na disponibilidade, qualidade e demanda por recursos hídricos no futuro”, afirma o autor principal, Dr. Edward Jones.

“Mudanças nesses três aspectos são cruciais para avaliar a futura escassez de água.” O estudo estima que 55% da população global vive atualmente em áreas que sofrem falta de água limpa em pelo menos um mês por ano. “Até o final do século, esse número pode chegar a 66%”. Embora a escassez global de água deva se intensificar no futuro, tanto as mudanças quanto os impactos não ocorrerão igualmente em todas as regiões do mundo. Aumentos futuros na escassez de água na Europa Ocidental e América do Norte, por exemplo, estão concentrados em apenas alguns meses do ano – impulsionados principalmente por aspectos de quantidade de água.

Por outro lado, os aumentos da escassez de água nos países em desenvolvimento são tipicamente mais disseminados no espaço e persistem por uma parte maior do ano. “Os aumentos na exposição futura são maiores no Hemisfério Sul. Geralmente são impulsionados por uma combinação de rápido crescimento populacional e econômico, mudanças climáticas e deterioração da qualidade da água.”A qualidade da água – apesar de crucial para o uso seguro da água – continua sendo um componente sub-representado nas avaliações de escassez de água. “As avaliações anteriores ainda se concentram predominantemente apenas nos aspectos da quantidade de água”.

Portanto, um dos principais objetivos deste estudo também foi normalizar a inclusão da qualidade da água nas avaliações de escassez de água – e na concepção de estratégias de gestão para aliviar a escassez de água. Jones conclui: “A falta de água limpa representa um risco sistêmico para humanos e ecossistemas, o que está se tornando cada vez mais difícil de ignorar. Nosso trabalho destaca que, além de reduzir substancialmente nossas demandas por água, devemos colocar um foco igualmente forte na eliminação da poluição da água para superar a crise global de água.

Confira Mais Notícias