0
0
0
s2sdefault

As eleições realmente misturam e juntam opositores. Basta ver o quadro municipal. Em Água Boa desde a década de 90 havia dois grandes grupos políticos, situação x oposição. Por muitos anos esses grupos não se misturavam, e a alternância no poder foi pequena. Havia a supremacia de um grupo que se impôs pelo voto desde a emancipação da cidade.eleicoes 2020

Mas em anos recentes, o quadro político nacional e estadual influenciou as lideranças a tomarem outros rumos. Tanto que adversários ferrenhos deixaram as desavenças de lado e se uniram na última eleição municipal. Misturou, mas parece que não juntou. Não deu liga.

Tanto que nos últimos dois anos, a situação que não estava bem colada, se dividiu. E essa rachadura continua. Agora tem dois grupos, o da oposição/situação que não colou bem, e a situação/oposição que vai tentar se agrupar. Enfim, juntos e não misturados são termos adequados para o momento político de Água Boa.

Tanto é verdade que Lírio Maggioni assumiu várias vezes em lugar do titular, algo que não aconteceu com Rejane. Juntos, misturados, mas não coligados.

Em breve teremos as convenções partidárias quando meia dúzia apontará quem terá o direito a sair candidato e reivindicar os votos dos eleitores. Nos bastidores, 4 nomes são citados como possíveis candidatos: Dr. Mariano Kolankiewicz, Rejane Schneider Garcia, Luis Cesar de Lara e Maurício Tonhá. Dos 4, somente Maurição disse que não tem nada a declarar. Os outros 3 já concordaram em discutir os rumos da eleição municipal. Mesmo assim, os partidos também podem apontar outros nomes que hoje são menos visíveis.

O povo em si espera que bons nomes sejam apontados para escolher o futuro líder. Por isso, nomes como os de Júnior Garrutti, Pedro Rezende, ‘Tunico’ de Mello, Miriam Bernieri, Dr. Celso Teixeira também são citados em algumas rodinhas de conversas.

O certo é que estamos vivendo um limiar de mudanças. Que são altamente necessárias! É preciso projetar a cidade para um futuro diferente e melhor. Muita coisa mudou desde a época da colonização.

Com o projeto da Ferrovia de Integração Centro Oeste passando por Água Boa, a infraestrutura da cidade precisa ser urgentemente repensada. É preciso uma Câmara de Vereadores forte, independente, com pensadores que articulem o melhor para a cidade e não para grupos.

Melhorias profundas serão necessárias na educação, na saúde, segurança pública, logística e na infraestrutura em geral. A Ferrovia atrairá um sem número de empresas, trabalhadores, profissionais das áreas de capacitação técnica e logística, sem falar nos aventureiros que virão. E ainda temos que conviver com uma economia estagnada devido ao coronavírus.

Novas demandas surgirão e com isso, o pensamento retrógrado não valerá mais diante do futuro que se avizinha. É preciso urgentemente apostar em pessoas técnicas e capazes para conduzir o destino do município. Chega de amadorismo. Chega de chazinho! Chega de acomodação! Chega de carguinho de confiança para incapazes. Água Boa precisa mudar o modelo de gestão!

O cidadão precisa ter mais informação e exige mais transparência, algo que está deixando a desejar no atual modelo. Fim de mandato sempre é melancólico, mas se avizinha uma nova eleição. Até o eleitor renova as esperanças, mas os futuros gestores e legisladores devem estar à altura das aspirações.

Precisamos dar um basta no modelo que premia a preguiça, o desleixo, a verba indenizatória, e as diárias gordas sem compromisso verdadeiro com os anseios da população! É preciso legislar, fiscalizar e gerir mais com menos. Aproveitar o limão e fazer uma boa limonada!

Grupo Interativa de Comunicação

Veja Também