Ao Vivo Água Boa - MT (99,7 FM)

Clebson Programa: Interativa nos Esportes
Locutor: Clebson

Ouça Agora!

(66) 99652-7007

Ao Vivo Querência - MT (97,9 FM)

Nando Rodrigues Programa: Interativa nos Esportes
Locutor: Nando Rodrigues

Ouça Agora!

(66) 98438-0051

Mães destacam importância de Lei do Dr. Eugênio por estabelecer espaço reservado àquelas que perderam os filhos no parto

Atualizada 23 nov 21

 

dep dr eugenio bCUIABÁ - Mães que perderam seus filhos precocemente por situações adversas, tanto em maternidades da rede pública como particular, destacam a importância da Lei nº 11.572/21, de iniciativa do deputado estadual Dr. Eugênio de Paiva (PSB), que estabelece espaços reservados àquelas que, diferente das demais, não poderão sair de lá com os filhos nos braços.

“Espero de todo o meu coração que esta Lei seja respeitada pelas maternidades para que mais nenhuma mãe passe o que eu passei ao dar a luz para o meu filho Davi (já sem vida). Enquanto eu aguardava o parto do meu filho, que eu já sabia que nasceria sem vida, me colocaram em um quarto com pelo menos quatro mães e seus recém-nascidos. Foi desumano, insensível, traumático!”, relatou a mãe Renatta Dalla, que à época buscou apoio em grupos de mães e hoje também ajuda aquelas que vivenciam o mesmo drama.

Para a mãe do anjo Davi, a Lei de autoria do deputado Dr. Eugênio vem ao encontro dos anseios das mães, em modo geral, que se apoiam e se sensibilizam com perda de cada bebê. “Lembro como se fosse hoje dos choros de cada bebezinho que estava ao meu lado na maternidade pública. Minha maior tristeza naquele momento, hoje transformada em fé crescimento, foi de além de não ter meu bebê vivo em meus braços ser, a todo momento questionada, onde estava meu filho. Sem respostas. Só me restava chorar e rezar pela alma do meu menino”, recorda Renatta . humano 1

As dificuldades foram semelhantes as da jovem Danielle Vittorazi Vescovi, mãe do anjo Henrique, que faleceu após nove meses de gestão tranquila por complicações no parto. Danielle, diante do cenário de profunda dor, também não teve oportunidade de ficar num espaço identificado como de mãe enlutada.

“A todo momento, entravam no meu quarto achando que ali teria uma mãe com demandas de um bebê saudável e a pergunta era sempre a mesma: aonde está seu bebê? Esperamos que com a Lei do deputado estadual Dr. Eugênio, outras mães não passem pela mesma dor que passamos!”, relatou Danielle, hoje youtuber e ativista das causas a favor da vida e de apoio às mães de luto.

Médico há mais de 20 anos com forte atuação na região Araguaia, Dr. Eugênio relata que sempre foi sensível ao tema e que viu, dentre as incumbências da atuação parlamentar, a oportunidade de formular um projeto que Lei que refletisse em mais humanidade para com as mães que duramente vivenciam este momento de tamanha dor.

“Atualmente, boa parte dos hospitais não garante à mãe o direito de ver, nem ao menos de se despedir do filho falecido. Além disso, elas acabam sendo colocadas na ala da maternidade, onde acordam durante a noite ouvindo o choro do bebê alheio e, não raro, precisam repetir aos profissionais do próprio hospital, durante as visitas de rotina, que o delas faleceu,” argumentou Dr. Eugênio ao desenvolver o Projeto que tornou-se Lei em Mato Grosso.

Com a sanção da Lei, as unidades de saúde das redes pública e particular de saúde deverão ofertar às mães enlutadas acomodação, em leito ou ala, em área separada dos demais pacientes e gestantes, com atenção para saúde física e psicológica.

“Obrigado, Governo de Mato Grosso pela sanção, e deputados que aprovaram a proposta, pela sensibilidade nesta causa tão difícil de ser enfrentada sem amparo e humanidade. Esperamos que os hospitais não hesitem no cumprimento da Lei e tratem as mãezinhas de luto com mais carinho e humanidade. Deus proteja a todas!”, finalizou o parlamentar. (Ascom)

 

===============================

Projeto de Dr. Eugênio cobra de hospitais espaços reservados para mães que perderam filhos no parto (05/11/21)

dep dr eugenio netCUIABÁ - Para assegurar dignidade humana às mães enlutadas que perderam seus filhos em circunstâncias adversas seja antes, durante ou depois do parto, o deputado estadual Dr. Eugênio de Paiva (PSB) é autor do Projeto de Lei nº 222/21, que cobra da rede pública e privada de saúde espaço reservado para mães que perderam seus filhos. A iniciativa do parlamentar foi aprovada nesta quarta-feira (03.11) em segunda votação e segue para sanção do Governo do Estado.

Médico há mais de 20 anos com forte atuação na região Araguaia, Dr. Eugênio relata que sempre foi sensível ao tema e que viu, dentre as incumbências da atuação parlamentar, a oportunidade de formular um projeto que Lei que refletisse em mais humanidade para com as mães que duramente vivenciam este momento de tamanha dor.

“Atualmente, boa parte dos hospitais não garante à mãe o direito de ver, nem ao menos de se despedir do filho falecido. Além disso, elas acabam sendo colocadas na ala da maternidade, onde acordam durante a noite ouvindo o choro do bebê alheio e, não raro, precisam repetir aos profissionais do próprio hospital, durante as visitas de rotina, que o delas faleceu,” argumenta Dr. Eugênio.

Dr. Eugênio reitera a importância de mudar essa realidade para um tratamento mais humanizado às mãezinhas de luto. “Não há pergunta mais dolorosa do que: “onde está seu filho?” Ou ainda de ter que voltar para casa ser tê-lo nos braços. Por mais humanidade e tratamento diferenciado às mãezinhas de luto, peço ao Governo do Estado que sancione a nossa proposta”, pleiteou.

Sendo aprovado o Projeto de Lei, as unidades de saúde das redes pública e particular de saúde deverão ofertar às mães enlutadas acomodação, em leito ou ala, em área separada dos demais pacientes e gestantes, com atenção para saúde física e psicológica. (Ascom)

Veja mais notícias: