0
0
0
s2sdefault

Trabalho remoto, aulas online, maratona de filmes e séries, vídeo-chamadas. Não há como negar que a quarentena aumentou nosso tempo de exposição às telas – que já não era baixo!

De acordo com a Dra. Camila Baracat Ray, responsável pela equipe de Oftalmologia do HCor, períodos duradouros em frente aos computadores, celulares e televisores demandam grande esforço ocular. Isso porque, ao contrário do que se imagina, é a visão de curta distância que requer maior contração muscular do olho, um dos fatores de risco para a ocorrência de miopia (dificuldade de enxergar de longe).

“Quando trabalhamos no computador, por exemplo, é como se nossos olhos estivessem fazendo uma caminhada na esteira. E, quando olhamos para longe, é como se nossos olhos estivessem sentando para descansar”, ilustra a Dra. Camila.

Segundo a oftalmologista, a alta exposição às telas pode causar diferentes tipos de desconforto, desde o lacrimejamento ocasionado pelo brilho dos equipamentos até mesmo àquela sensação de corpo estranho, que é quando parece que tem alguma coisa nos nossos olhos.

Há ainda outros sinais de cansaço ocular fáceis de notarmos. São eles: fadiga muscular, percebida pelo embaçamento da visão; vermelhidão e a conhecida dor de cabeça do final do dia.

“Pensando em todos esses desconfortos, apesar de sabermos que a tecnologia vem facilitando a nossa rotina durante a pandemia, devemos ficar atentos para não cometermos excessos que podem prejudicar a saúde dos nossos olhos”, relembra a médica.

Mas, sendo as telas as principais companheiras durante o trabalho e os estudos – atividades que não podem ser deixadas de lado – como fazer para conviver com elas em harmonia?

Confira abaixo três dicas da especialista:

  1. Adote a técnica 20x20x20

Esclarecendo em detalhes, a cada 20 minutos de exposição a um computador ou celular, por exemplo, passe 20 segundos olhando para algo que está longe. “Inicialmente, a orientação é que os olhos foquem em algum objeto que esteja a 20 pés, ou seja, 6 metros. Mas, não estando em um ambiente com tamanha profundidade, vale somente o exercício de desviar o olhar da tela”, explica.

  1. Descanse

Aproveite a hora do almoço ou do intervalo de aulas para sair de frente das telas, sem trocar um dispositivo por outro. “A tentação é grande, mas, ao deixarmos o computador ou tablet de lado, o ideal é não partirmos para jogos ou outros aplicativos do celular”, alerta a médica.

  1. Bilhetinho do piscar

Sabe aquele famoso lembrete para beber água? Tenha ao lado dele o “bilhetinho do piscar” e deixe perto da tela que você costuma passar mais tempo olhando. “Pode parecer desnecessário, mas, quando estamos muito concentrados em alguma tarefa, a verdade é que realmente esquecemos desse ato simples, que mantém nossa vista lubrificada”, comenta a Dra. Camila.

Por falar em lubrificação dos olhos, o uso de colírio lubrificante deve ser feito somente mediante indicação de um oftalmologista, que avaliará a necessidade e a frequência de aplicação.

A consulta ao oftalmologista, aliás, é recomendada para ser realizada anualmente, devendo ser antecipada no caso de qualquer mudança abrupta no padrão visual, como perda de visão ou alteração de campo visual.

Sobre o HCor

A instituição iniciou as atividades em 1976, tendo como mantenedora a Associação Beneficente Síria, que completou 100 anos de atividades filantrópicas em 2018. O HCor ganhou projeção mundial no cenário da saúde, tornando-se referência em cardiologia. Hoje, além do escopo de atendimentos cardiológicos, o hospital oferece serviços de excelência também nas áreas de neurologia, oncologia, ortopedia e medicina diagnóstica, ganhando destaque como um hospital multiespecialista. Conta com acreditação internacional da Joint Commission Internation (JCI) desde 2006.

Certificado pela American Heart Association (AHA), o Centro de Ensino capacita e atualiza milhares de profissionais anualmente. Na ciência, o Instituto de Pesquisa HCor coordena estudos clínicos multicêntricos nacionais e internacionais. Há 10 anos, o HCor é parceiro do Ministério da Saúde no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), colaborando com políticas públicas e iniciativas de aprimoramento para mais de 150 centros médicos de todo País. (Ascom)

Veja Também